.. Filhotes Persa e Himalaia: Plantas Tóxicas ***

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Plantas Tóxicas


1. INTRODUÇÃO
O estudo das plantas cresce anualmente no Brasil e no mundo. Junto com estes
estudos, aumenta o interesse e o conhecimento sobre os componentes químicos das
plantas. Assim são descobertas as medicinais, plantas úteis para a manutenção da
saúde e da qualidade de vida, mas também se estuda as tóxicas. Estas últimas
temidas por muitos e mal utilizadas por outros, costumam ser belas, com suas flores
coloridas e atrativas, trazendo um grande risco às pessoas que as desconhecem.
Os componentes químicos da plantas, chamados de princípios ativos, ou
simplesmente ativos presentes nas plantas tóxicas são: os alcalóides, os glicosídeos
cardioativos ou cardiotônicos, os glicosídeos cianogênicos ou cianogenéticos, os
taninos, as saponinas, o oxalato de cálcio, as toxialbuminas, todos provocando
sintomas semelhantes em animais ou em humanos.

O presente trabalho não pretende ser um manual de orientação de Plantas Tóxicas,
mas ilustrar a sua existência e apontar alguns de seus riscos para esclarecer porque
devem ser evitadas. Traz inúmeras espécies, sua classificação botânica, seus nomes
populares, composições químicas e os sintomas de intoxicação. Pretende ser uma
leitura leve e acessível a todos, minimizando os riscos que possam oferecer.
2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
2.1. Plantas tóxicas com alcalóides
2.1.1. Atropa belladona L.
(Fig 1)
Nomes comuns: beladona, cereja-da-loucura
Família botânica: Solanaceae
Partes tóxicas: a planta toda, mas principalmente os frutos, devido à facilidade de
ingestão
Princípio ativo tóxico: alcalóides tropânicos (atropina, escopolamina)
Sintomas: boca seca, diminuição das secreções, vermelhidão e secura da pele,
hipertermia, dificuldade de micção, alucinações, câimbras (Simões, 2000).
5
Figura 1 - Atropa belladona L.
2.1.2. Conium maculatum L.
Nomes comuns: cicuta, funcho-selvagem
Família botânica: Apiaceae
Partes tóxicas: folhas, caule, raízes, sementes e frutos não maduros
Princípio ativo tóxico: alcalóides (coniina, coniceína)
Sintomas: as intoxicações com esta planta são mais comuns em animais. São eles:
náuseas, vômitos, às vezes com sangue; vertigens, midríase, distúrbios neurológicos,
confusão mental, paralisia e coma.
2.1.3. Datura metel L.
Nomes comuns: saia-roxa, trombeta-roxa, metel, babado-de-viúva, zabumba-roxa,
manto-de-cristo, anágua-de-viúva (nordeste).
Família botânica: Solanaceae
Partes tóxicas: folhas e sumidades floridas
Princípio ativo tóxico: alcalóides hiosciamina e escopolamina
Sintomas: boca seca, diminuição das secreções, vermelhidão e secura da pele,
hipertermia, dificuldade de micção, alucinações, câimbras (Simões, 2000).
6
2.1.4. Datura stramonium L.
Nomes comuns: estramônio, figueira-do-inferno, figueira-brava, quinquilho, mamoninhabrava,
zabumba, mata-zombando (Ceará)
Família botânica: Solanaceae
Partes tóxicas: folhas e sumidades floridas
Princípio ativo tóxico: alcalóides hiosciamina e escopolamina
Sintomas: boca seca, diminuição das secreções, vermelhidão e secura da pele,
hipertermia, dificuldade de micção, alucinações, câimbras (Simões, 2000).
2.1.5 Datura suaveolens (Humboldt & Bonpland) Bercht. & Presl.
(Fig 2)
Sinonímia botânica: Brugmansia suaveolens G. Don.
Nomes comuns: saia-branca, trombeteira-branca, trombeta-branca, trombeta-cheirosa,
aguadeira, babado, sete-saias, zabumba-branca (nordeste).
Família botânica: Solanaceae
Partes tóxicas: a planta toda
Princípios ativos tóxicos: alcalóides tropânicos (escopolamina, hiosciamina, atropina)
Sintomas: náusea vômito, edema cutâneo, secura de mucosa – ocular e bucal –
taquicardia, confusão mental, alucinações, vertigens, convulsões, dilatação das pupilas
(midríase).
Figura 2 - Datura suaveolens (Humboldt & Bonpland) Bercht. & Presl.
7
2.1.6. Delphinium consolida L.
Nomes comuns: espora
Família botânica: Ranunculaceae
Partes tóxicas:
Princípio ativo tóxico:
Sintomas: alergias e coceiras
2.1.7. Erythrina crista-galii L.
Nomes comuns: mulungu, murungu, sanandu, suína, suinã
Família botânica: Fabaceae (Leguminosae)
Partes tóxicas: a planta inteira
Princípios ativos tóxicos: alcalóides (eritroidina, eritramina, eritralina e eritradina)
Sintomas: depressão neurológica, astenia, paralisia muscular.(Referência)
Obs: os alcalóides desta planta são facilmente absorvidos pelo trato gastrintestinal,
sendo rapidamente eliminados pelos rins, diminuindo a gravidade da intoxicação.
2.1.8. Ipomaea carnea Jacq.
Nomes comuns: glória-do-amanhecer, canudo, algodão bravo, mata-cabra, capa-bode
Família botânica: Convolvulaceae
Partes tóxicas: folhas
Princípio ativo tóxico: alcalóides
Sintomas: náuseas, midríase, alucinações, redução dos reflexos, diarréia, hipotensão.
2.1.9. Isotoma longiflora (Willd.) Presl.
Nomes comuns: arrebenta-boi, cega-olho
Família botânica: Campanulaceae
Partes tóxicas: látex
Princípio ativo tóxico: alcalóides
8
Sintomas: na pele, causa lesões, eritema, vesículas, bolhas, pruridos; nos olhos,
conjuntivites, fotofobia e lacrimejamento; provoca ainda lesões na mucosa digestiva,
causando dor, eritema e edema, queimação, náuseas e vômitos.
2.1.10. Melia azedarach L.
Nomes comuns: cinamomo, cardamomo, jasmim-de-cachorro, jasmim-de-soldado
Família botânica: Meliaceae
Partes tóxicas: casca, folhas, frutos
Princípio ativo tóxico: azaridina, um alcalóide neurotóxico
Sintomas: começam com náuseas, vômitos, cólicas e diarréia, podendo evoluir para
confusão mental, torpor e coma.
2.1.11. Spartium junceum L.
Sinonímia botânica: Genista juncea Lamarck
Nomes comuns: giesta, esparto.
Família botânica: Fabaceae (Leguminosae)
Partes tóxicas: a planta toda
Princípio ativo tóxico: alcalóides (cistisina)
2.1.12. Senecio brasiliensis Lessing
Nomes comuns: senecio, tasneirinha, cravo-do-campo, maria-mole, catião, flor-dasalmas
Família botânica: Asteraceae (Compositae)
Partes tóxicas: frutos e folhas
Princípio ativo tóxico: alcalóides pirrolizidínicos
Sintomas (em animais): necrose de fígado e lesões de pulmão.
9
2.2. Plantas tóxicas com glicosídeos cianogenéticos ou cianogênicos
2.2.1. Holocalyx balansae Mich.
Nomes comuns: alecrim, alecrim-de-campinas, pau-alecrim, ibirapepê
Família botânica: Caesalpinaceae
Partes tóxicas: a planta toda
Princípio ativo tóxico: glicosídeo cianogênico
Sintomas: apatia, taquicardia, espasmos, irritação, edemas.
2.2.2. Manihot esculenta Crantz
Nomes comuns: mandioca-brava, mandioca-mulatinha, mandioca-preta, manipeba.
Família botânica: Euphorbiaceae
Partes tóxicas: folhas e cascas das raízes
Princípio ativo tóxico: glicosídeo cianogênico, que interfere na condução de oxigênio
para as células.
Sintomas: vômitos, diarréia, sonolência, dores abdominais, convulsões musculares,
torpor e coma.
2.2.3. Manihot glaziovii Muell. Arg.
Nomes comuns: maniçoba, maniçoba-do-ceará
Família botânica: Euphorbiaceae
Partes tóxicas: folhas e brotos
Princípios ativos tóxicos: glicosídeo cianogênico
Sintomas: falta de oxigênio no cérebro. Em ovelhas, pode levar ao desenvolvimento de
bócio e hipotireoidismo.
10
2.2.4. Prunus sellowii Koehne
Nomes comuns: coração-de-negro, pessegueiro-bravo, pessegueiro-do-mato, marmelobravo,
gingeira-brava, cerejeira-do-brasil.
Família botânica: Rosaceae
Partes tóxicas: cascas, folhas e sementes (principalmente)
Princípio ativo tóxico: glicosídeo cianogênico que, por hidrólise, libera cianeto.
Sintomas: as intoxicações são mais freqüentes em animais, causando desequilíbrio,
cólicas, tremores musculares, dispnéia, taquicardia, arritmia cardíaca, olhar vítreo,
podendo ocorrer convulsão.
2.2.5. Pteridium aquilinum (L.) Kuhn.
Nomes comuns: samambaia, samambaia-do-campo, samambaia-das taperas
Família botânica: Pteridaceae
Partes tóxicas: folhas
Princípios ativos tóxicos: glicosídeo cianogênico, a tiaminase tipo I
Sintomas: febre, hemorragia na pele (suor com sangue), diarréia com sangue,
diminuição do número de plaquetas. O animal perde sangue rapidamente, podendo
morrer.
2.2.6. Sorghum halepense (L.) Pers
Sinonímia botânica: Sorghum vulgare
Nomes comuns: sorgo, capim Massambará, pasto russo, erva-de-são-joão
Família botânica: Poaceae
Partes tóxicas: folhas e brotos
Princípios ativos tóxicos: glicosídeo cianogênico
2.2.7. Trifolium repens L.
Nomes comuns: trevo-branco
Família botânica: Fabaceae
11
Partes tóxicas: folhas e brotos
Princípio ativo tóxico: glicosídeo cianogênico
Sintomas: em ovelhas: anóxia cerebral, bócio hiperplásico, podendo desenvolver o
hipotireoidismo.
2.3. Plantas tóxicas com glicosídeos cardiotônicos ou cardioativos
2.3.1. Asclepias curassavica L.
Nomes comuns: oficial-de-sala, paina-de-sapo
Família botânica: Asclepiadaceae
Partes tóxicas: a planta toda
Princípio ativo tóxico: glicosídeo cardioativo (asclepiadina)
Sintomas: dor e queimação de boca e faringe; dores abdominais, náuseas e vômitos;
nos olhos, produz irritação, lacrimejamento, fotofobia.
2.3.2. Digitalis purpurea L. e Digitalis lanata Ehrhart
Nomes comuns: dedaleira, digital, luva-de-nossa-senhora.
Família botânica: Scrophulareaceae
Partes tóxicas:
Princípio ativo tóxico: glicosídeos cardioativos (digitoxina, digitaleína)
2.3.3. Thevetia neriifolia Juss.
(Figura 3)
Sinonímia botânica: Thevetia peruviana (Persoon) Schumann
Nomes comuns: chapéu-de-napoleão, jorro-jorro, noz-de-cobra, cerbera, aoaimirim,
bolsa-de-pastor, louro-amarelo, noz-da-sorte, eleander-amarela
Família botânica: Apocynaceae
Partes tóxicas: a planta toda
Princípios ativos tóxicos: glicosídeos cardioativos (tevetina, tevetoxina, neriifolina)
12
Sintomas: o látex produz queimação na boca, náuseas, vômitos, cólicas e diarréia; na
pele, produz irritação; nos olhos, lacrimejamento, fotofobia; a ingestão de grandes
quantidades da planta, pode causar distúrbios cardíacos.
Figura 3 – Thevetia neriifolia Juss.
Etnobotânica: o látex era, popularmente, usado como veneno em flechas (Simões,
2002).
2.4. Plantas tóxicas com toxialbuminas
2.4.1. Abrus precatorius L.
Nomes comuns: jequiriti, olho-de-cabra, grãos-de-rosário, tento, alcaçuz-da-américa,
cipó-de-alcaçuz, jiquiriti, juqueriti, olho-de-pombo (norte e nordeste)
Família botânica: Leguminosae
Partes tóxicas: látex
Princípio ativo tóxico: toxialbuminas
2.4.2. Allamanda cathartica L.
Nomes comuns: alamanda, alamanda-de-flor-grande, alamanda-amarela
Família botânica: Apocynaceae
Partes tóxicas: a planta inteira
Princípio ativo tóxico: toxialbuminas, presentes no látex (espécie de leite que sai das
folhas)
Sintomas: náuseas, vômitos, cólicas, diarréia, desidratação.
13
2.4.3. Aleurites fordii Hemsley
Nomes comuns: tungue, árvore-do-tungue, tung, castanha-purgativa
Família botânica: Euphorbiaceae
Partes tóxicas: sementes e outras partes da planta
Princípio ativo tóxico: toxialbuminas
Sintomas: náuseas, cólicas abdominais intensas, vômitos, diarréia, secura das
mucosas, letargia e desorientação. Nos casos mais graves, causa desidratação,
midríase, taquicardia, cianose e hipotermia.
2.4.4. Euphorbia milii (L.) Des Moulins
Nomes comuns: coroa-de-cristo, martírio
Família botânica: Euphorbiaceae
Partes tóxicas: partes aéreas
Princípio ativo tóxico: diterpenos (miliaminas)
Sintomas: se ingerido, o látex provoca náuseas e vômito; se mastigada, a planta
provoca irritação das mucosas, queima a boca língua, esôfago; em contato com a pele,
causa irritação, coceira, formação de bolhas de água.
2.4.5. Euphorbia pulcherrima Wild. ex Klotzch
Nomes comuns: bico-de-papagaio, papagaio, rabo-de-arara, flor-de-santo-antonio, florde-
natal
Família botânica: Euphorbiaceae
Partes tóxicas: látex
Princípio ativo tóxico: toxialbuminas
Sintomas: irritações na pele, seguidas de dor; a ingestão da planta causa lesões
irritativas da mucosa bucal, edema de lábios e língua, dor e queimação; a ingestão
pode lesar as mucosas faríngea, esofágica e gástrica, provocando náuseas e vômitos.
14
2.4.6. Euphorbia tirucalli L.
(Fig 4)
Nomes comuns: aveloz, graveto-de-cão, figueira-do-diabo, dedo-do-diabo, pau-pelado,
árvore-de-são-sebastião
Família botânica: Euphorbiaceae
Partes tóxicas: látex
Princípio ativo tóxico: toxialbuminas
Sintomas: se ingerido, o látex provoca náuseas e vômito; se mastigada, a planta
provoca irritação das mucosas, queima a boca língua, esôfago; em contato com a pele,
causa irritação, coceira, formação de bolhas de água.
Figura 4 – Euphorbia tirucalli L.
2.4.7. Hura crepitans L.
Nomes comuns: assacu, açacu, uassacu
Família botânica: Euphorbiaceae
Partes tóxicas: látex
Princípio ativo tóxico: toxialbuminas (hurina e creptina)
Sintomas: o contato do látex com a pele causa irritação, formando bolhas; em contato
com os olhos, causa conjuntivite e dor; no sistema digestório, provoca náuseas e
vômito, bem como queimação na boca e na faringe.
15
2.4.8. Jatropha curcas L.
Sinonímia botânica: Curcas indica A. Richard, Castigliona lobata Ruis et Pavon
Nomes comuns: pinhão-paraguaio, pinha-de-purga, purgante-de-cavalo, purgueira,
mandubiguaçu, pinhão-dos-bárbaros, pinhão-de-cerca, pinhão-bravo
Família botânica: Euphorbiaceae
Partes tóxicas: sementes e látex
Princípio ativo tóxico: toxialbumina jatrofina (curcina)
Sintomas: irritação das mucosas de estômago e intestino, causando náuseas;
queimaduras internas, diarréia com sangue, escurecimento da visão, cambaleio,
midríase, podendo levar ao coma.
2.5. Plantas tóxicas com glicoalcalóides
2.5.1. Solanum lypocarpum A. Saint-Hilaire
Nomes comuns: fruta-de-lobo, lobeira, capoeira-branca, berinjela, jurubebão
Família botânica: Solanaceae
Partes tóxicas: frutos
Princípio ativo tóxico: alcalóides indólicos
2.5.2. Solanum mammosum L.
Nomes comuns: peito-de-moça, juá-bravo, jurubeba-do-pará
Família botânica: Solanaceae
Partes tóxicas: frutos
Princípio ativo tóxico: alcalóides indólicos
2.5.3. Solanum nigrum L.
(Fig. 5)
Sinonímia botânica: Solanum americanum Miller
16
Nomes comuns: maria-pretinha, maria-preta, erva-moura, caraxixá, erva-de-bicho,
pimenta-de-galinha (Bahia)
Família botânica: Solanaceae
Partes tóxicas: frutos verdes
Princípio ativo tóxico: alcalóides indólicos
Figura 5 - Solanum nigrum L.
2.5.4. Solanum palinacanthum Dunal
Sinonímia botânica: Solanum platanifolium Sendtner
Nomes comuns: arrebenta-cavalo, juá-bagudo, melancia-da-praia, mata-cavalo,
arrebenta-boi
Família botânica: Solanaceae
Partes tóxicas: frutos
Princípio ativo tóxico: alcalóides indólicos
2.6. Plantas tóxicas com taninos e saponinas
2.6.1. Cestrum nocturnum
Nomes comuns: dama-da-noite
17
Família botânica: Solanaceae
Partes tóxicas: frutos imaturos e folhas
Princípio ativo tóxico: glicosídeo do grupo das saponinas
Sintomas: náuseas e vômitos, seguidos de agitação psicomotora, distúrbios
comportamentais e alucinações, midríase e secura das mucosas.
2.6.2. Palicourea marcgravii A. St. Hill.
Nomes comuns: palicourea, café-bravo, erva-de-rato
Família botânica: Rubiaceae
Partes tóxicas: folhas e frutos (principalmente), verdes ou secos
Princípios ativos tóxicos: saponinas (mas ainda há discussões), ácido mono fluoracético
Sintomas: intoxicações por esta planta são mais comuns em animais, provocando
cólicas, tremores musculares, dispnéia, taquicardia, podendo ocorrer convulsão pela má
oxigenação cerebral.
2.6.3. Thiloa glaucocarpa (Mart.) Eichler
Nomes comuns: sipaúba
Família botânica: Combretaceae
Partes tóxicas: folhas e brotos, secos ou verdes
Princípios ativos tóxicos: saponinas e taninos
Sintomas: edema subcutâneo, fezes ressequidas, que se tornam pastosas, com muco,
com ou sem estrias de sangue e odor desagradável.
2.7. Plantas tóxicas com princípios ativos diversos
2.7.1. Aleurites moluccana (L.) Willdenow
Sinonímia botânica: Jatropha moluccana L.
Nomes comuns: nogueira-de-iguape, nogueira-brasileira, noz-da-índia
Família botânica: Euphorbiaceae
18
Partes tóxicas: várias partes da planta
Princípios ativos tóxicos: toxialbumina, saponina
Sintomas: náuseas, vômitos, cólicas abdominais e diarréia, seguidos de sede, secura
de mucosas, letargia. Em casos com maior gravidade, desidratação, midríase, letargia,
cianose e hipertermia.
2.7.2. Buxus semprevirens L.
Nomes comuns: buxo, buxinho
Família botânica: Buxaceae
Partes tóxicas: a planta inteira
Princípios ativos tóxicos: óleo butiráceo volátil e alcalóides (buxina, entre outros)
Sintomas: distúrbios gastrintestinais, náuseas, vômitos, cólicas e diarréia.
2.7.3. Caladium bicolor Schott.
Nomes comuns: caládio, tinhorão, tajá, taiá
Família botânica: Araceae
Partes tóxicas: a planta inteira
Princípios ativos tóxicos: ráfides de oxalato de cálcio e saponinas
Sintomas: a seiva provoca inflamação da garganta e da boca; a planta, irritação das
mucosas, edema de lábios, língua e palato; sialorréia, cólicas abdominais, náuseas e
vômitos; nos olhos, gera edema, fotofobia, lacrimejamento.
2.7.4. Colocasia antiquorum Schott.
Nomes comuns: taioba, taió, inhame, cocó
Família botânica: Araceae
Partes tóxicas: a planta inteira
Princípios ativos tóxicos: ráfides de oxalato de cálcio
Sintomas: edema de lábios, boca e língua; náuseas, vômito, diarréia, salivação,
dificuldade e asfixia; o contato com os olhos pode provocar irritação e lesão da córnea.
19
2.7.5. Dieffenbachia picta (Lodd) Schott.
(Fig. 6)
Sinonímia botânica: Dieffenbachia seguine (L.) Schott
Nomes comuns: comigo-ninguém-pode, aningápara, aninga-do-pará (Amazônia),
bananeira-d’água (Ceará), cana-de-imbé
Família botânica: Araceae
Partes tóxicas: a planta inteira
Princípios ativos tóxicos: ráfides de oxalato de cálcio e saponinas
Sintomas: a seiva provoca irritação das mucosas; a planta provoca irritação das
mucosas, edema de lábios, língua e palato; cólicas abdominais, náuseas e vômitos; o
contato com os olhos gera edema, fotofobia, lacrimejamento.
Figura 6 – Dieffenbachia picta (Lodd) Schott
2.7.6. Euphorbia cotinifolia L.
Nomes comuns: (não encontrados)
Família botânica: Euphorbiaceae
Partes tóxicas: partes aéreas
Princípio ativo tóxico: diterpenos
20
2.7.7. Jatropha multifida L.
Nome comum: flor-de-coral
Família botânica: Euphorbiaceae
Partes tóxicas: as sementes
Princípios ativos tóxicos: alcalóides, glicosídeos e toxialbuminas
Sintomas: ingestão excessiva de sementes provoca dores abdominais, náuseas,
vômitos, diarréia.
2.7.8. Lantana camara L.
Nomes comuns: câmara, cambará
Família botânica: Verbenaceae
Partes tóxicas: frutos verdes, folhas
Princípios ativos tóxicos:triterpenos hepatotóxicos (lantanina, lantadene A, lantadene B)
Sintomas: náuseas, vômitos, diarréia, fraqueza, letargia, cianose, fotossensibilização.
2.7.9. Machaerium scleroxylon Tul.
Nomes comuns: caviúna, caviúna-vermelha, pau-ferro
Família botânica: Fabaceae
Partes tóxicas: cerne
Princípios ativos tóxicos: óleorresina
Sintomas: alergia cutânea
2.7.10. Monstera deliciosa Liebm.
Nomes comuns: costela-de-adão, banana-de-macaco, inibé
Família botânica: Araceae
Partes tóxicas: caules, folhas, látex
Princípios ativos tóxicos: ráfides de oxalato de cálcio e, talvez, saponinas
Sintomas: irritação das mucosas, edema de lábios, língua e palato; cólicas abdominais,
náuseas e vômitos.
21
2.7.11. Nerium oleander L.
(Fig 7)
Nomes comuns: espirradeira, olenader
Família botânica: Apocynaceae
Partes tóxicas: a planta inteira
Princípios ativos tóxicos: glicosídeos cianogênicos (oleandrina), alcalóides (estrofantina)
Etnobotânica: Nerium vem de úmido, referência feita à região de onde a planta é
originária (Simões, 2002)
Sintomas: náuseas, vômitos, cólicas, diarréia com muco e sangue; taquicardia,
bradicardia; fraqueza, depressão, cianose, angústia respiratória, tontura, midríase,
sonolência, torpor, coma.
Figura 6 – Nerium oleander L.
2.7.12. Ricinus communis L.
(Fig 8)
Nomes comuns: mamona, mamoeira, carrapateira, carrapateiro, carrapato, rícino,
palma-de-cristo, palma-christi, castor, tartago
Família botânica: Euphorbiaceae
Partes tóxicas: sementes
Princípio ativo tóxico: toxialbumina (ricina) e alcalóides
Sintomas: náuseas, vômitos, cólicas abdominais, secura de mucosas, hipotermia,
taquicardia, vertigens, sonolência, torpor e em casos mais graves, coma e óbito.
22
Figura 8 – Ricinus communis L.
2.7.13. Zantendeschia aethiopica (L.) Spreng.
(Fig 9)
Nome comum: copo-de-leite
Família botânica: Araceae
Partes tóxicas: a planta inteira
Princípios ativos tóxicos: ráfides de oxalato de cálcio e saponinas
Sintomas: a seiva provoca inflamações na garganta e boca; a planta causa irritação das
mucosas, edema de lábio, língua e palato; cólicas abdominais, náuseas e vômitos; o
contato com os olhos, gera edema, fotofobia, lacrimejamento.
Figura 9 - Zantendeschia aethiopica (L.) Spreng.
*********************************************
INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS HOMEOPÁTICOS
FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE SÃO PAULO
DÉBORA GIKOVATE BARG
PLANTAS TÓXICAS
SÃO PAULO - SP
2004
Trabalho apresentado para créditos em
Metodologia Científica no Curso de Fitoterapia
no IBEHE / FACIS. Orientadora: Profa Dra.
Amália Verônica Mendes da Silva
============

3. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
LORENZI, Harri, Plantas daninhas do Brasil, 3ª edição, São Paulo, Instituto Plantarum,
2000, 608 p.
SCAVONE, Orestes; PANIZZA, Sylvio, Plantas tóxicas, 2ª edição, São Paulo, CODAC –
USP, 1981, 128 p. IDEM
SIMÕES, Cláudia Maria Oliveira et al., Farmacognosia da planta ao medicamento, 4ª
edição, Porto Alegre / Florianópolis, Editora Universidade UFRGS / Editora
Universidade UFSC, 2002, 833 p.IDEM
Alcalóides e otras plantas tóxicas Disponível em: http://www.botanicalonline.
com/alcaloides.htm , acessado em 10/10/2004
Canadian Network of Toxicology Centres Disponível em:
http://www.uoguelph.ca/cntc/index.htm, acessado em 05/10/2004
Henriette’s planta photos: Atropa belladona L.
Disponível em: http://www.ibiblio.org/herbmed/pictures/p02/pages/atropa-belladona.htm,
acessado em 05/10/2004
Intoxicaciones por Plantas Tóxicas
Disponível em: http://www.canal-h.net/web/sgonzalez002/Toxico/Plantas.htm, acessado
em 10/10/2004
Plantas Tóxicas
Disponível em: http://www.hcnet.usp.br/CEATOX/plantas.htm, acessado em 05/10/2004
Plantas Tóxicas no Brasil
Disponível em: http://www.fiocruz.br/sintox/ , acessado em 05/10/2004
24
Tabela de Plantas Tóxicas
Disponível em: http://www.cit.rs.gov.br/plantas.htm, acessado em 05/10/2004
Disponível em: http://www.ccs.ufpb.br/pet-farmacia/pltox.htm , acessado em 05/10/2004
3

Nenhum comentário:

Tabela

Defina a Cor Dos Pais Para Saber As Possibilidades De Cores Dos Filhotes

/>

 

ColorCarried Genes Other GenesGenotype
Sire:
Tabby
Chocolate
Dilute
Homozygous Tabby
Dam:
Tabby
Tortie
Chocolate
Dilute
Homozygous Tabby


Os Filhotes Terão As Seguintes Cores:

MaleFemaleMaleFemale
Black Brown Tabby
Blue Blue Tabby
Chocolate Chocolate Tabby
Lilac Lilac Tabby
Red Red Tabby
Cream Cream Tabby
Black-Tortie Black-Tortie Tabby
Blue-Cream Blue-Cream Tabby
Chocolate-Tortie Chocolate-Tortie Tabby
Lilac-Cream Lilac-Cream Tabby

Proibida a Cópia e Reprodução- Adaptado por Célia Duque (gatillucaslove@gmail.com)

TRY

Defina a Cor Dos Pais Para Saber As Possibilidades De Cores Dos Filhotes

ColorCarried GenesOther GenesGenotype
Sire:
Tabby
Chocolate Dilute Homozygous Tabby
Dam:
Tabby Tortie
Chocolate Dilute Homozygous Tabby
Os Filhotes Terão As Seguintes Cores:
MaleFemale MaleFemale
BlackBrown Tabby
Blue Blue Tabby
Chocolate Chocolate Tabby
LilacLilac Tabby
RedRed Tabby
Cream Cream Tabby
Black-Tortie Black-Tortie Tabby
Blue-Cream Blue-Cream Tabby
Chocolate-Tortie Chocolate-Tortie Tabby
Lilac-Cream Lilac-Cream Tabby

Proibida a Cópia e Reprodução- Adaptado por Célia Duque (gatillucaslove@gmail.com)